Da janela, a cidade. Da nossa casa, o mundo. Um texto sobre isolamento social e saúde mental.

Foto: A Cidade da Janela (Salvador-Bahia). Autora: Isabela Avertano Rocha, 2020.

Talvez estejamos um tanto quanto monotemáticos em nossos diálogos, afinal de contas, o mundo todo se voltou a uma Pandemia. Passamos, então, a estruturar nossos comportamentos sob a dinâmica de um vírus. O alto índice de contaminação, nos grandes centros, ressignificou a vida da humanidade no ano de 2020, e a crise mundial de saúde escancarou um cenário adoecedor em vários âmbitos que fogem ao espectro do Sars-cov-19 e revelam fragilidades estruturais de nossas sociedades. 

A partir dessa realidade, vimos a adaptação da nossa espécie ser colocada em xeque de forma clara e gritante, o caráter adaptativo na saúde do novo século faz Darwin gritar: “Quem conseguir se adaptar aos novos padrões, sobrevive! ”. Tudo muito rápido e muito intenso, sem tempo para muitos debates acerca das consequências de tudo isso. Um dia, estávamos circulando em ambientes públicos com nossos padrões sociais “cômodos” em outro, viver isolado era uma solução vital e o distanciamento como saúde uma verdade incontestável.

Nesse ínterim, fomos exigidos a enxergar o mundo da janela. E, na tentativa de tornar este texto um tanto quanto poético, eu trago Lô Borges para ilustrar a nossa paisagem, afinal, o músico nos ensinou que da janela do quarto de dormir, conseguimos conhecer a cidade, suas cores mórbidas e seus homens sórdidos, as torres, os cemitérios e, até mesmo, os velórios. E, mesmo em frente à dificuldade de se enxergar o externo, tudo “isso é tão normal”.

Tal qual o Eu lírico, hoje, enxergamos um normal e comunicamos sobre ele por meio de nossas interpretações e construções, nossas necessidades e a forma como respondemos a tudo isso. Talvez não tão bonito quanto Lô Borges comunica, mas olhamos da janela e conseguimos enxergar a cidade e o normal que nos é proposto. O “normal” do isolamento social, que é pautado na experiência de cada um, o normal da presença de um vírus que não temos controle e que exige tanto de nós.

Sim, este é um texto sobre saúde mental e sobre a forma que todo o cenário da pandemia impacta a nossa existência e demanda de nós a necessidade de uma adaptação, em alguns momentos dolorosa, reconfigurando espaços e noções que não eram contestadas com tanta frequência, como o caráter plural e social da nossa saúde. 

O Coronavírus nos fez agir de maneira incisiva sobre nossa saúde, é incontestável a mudança nesse sentido. Tudo passou a ser observado, cuidado e fiscalizado como nunca antes. Todavia, o caráter emergencial de cuidados contra o vírus fez com que não tivéssemos olhos para outras formas de adoecimento e isso nos apresentou mais um dado: a pandemia esboçou a latência do adoecimento psicológico e social dos novos tempos como uma necessidade humana negligenciada pelas nossas noções de desenvolvimento. Cuidamos de frear um vírus, e isso basta?

Autores como Max-Neef, Elizalde e Hopenhayn (2010) pontuam que nossas noções de desenvolvimento deveriam ser direcionadas às pessoas e não aos objetos. A crítica dos autores perpassa pelo modo como as políticas desenvolvimentistas pautam seus discursos como tentativa de contribuição à vida das pessoas, quando na verdade essas ações são voltadas apenas aos níveis macroscópicos e não como uma realidade diária dos grupos sociais, e essa constatação aponta para a negligência de pensar as necessidades humanas enquanto infinitas, que mudam de acordo com o caráter ambiental, cultural e histórico. Na verdade, essa crítica escancara a dificuldade de se enxergar o humano. 

No contexto do desenvolvimento sustentável, podemos pensar que essa dificuldade, mesmo que muito debatida, ainda encontra fronteiras muito rígidas, e que nossas noções de saúde ainda são superficiais e generalistas. Então, “tá tudo bem” dizer que para garantir a saúde mental devemos promover a qualidade de vida, não é mesmo? Como exemplifica a ODS3, da Agenda ONU 2030, que tem em um dos seus indicadores a promoção da saúde mental e do bem-estar das populações. 

Com um olhar mais atento e crítico, percebemos que este indicador não é suficiente às necessidades básicas de saúde mental das nossas populações. No contexto pandêmico, por exemplo, o bem-estar das populações esbarra no isolamento social dos grandes centros e, então, vemos a vida urbana enclausurada em quatro paredes e não conseguimos elaborar a dimensão do adoecimento presente. Essa realidade aponta a urgência de repensar nosso conceito de saúde e de qualidade de vida. 

A respeito da compreensão da saúde, em uma perspectiva global, podemos dizer que ela ganha forma dentro de ações relativas à utilização de tecnologias modernas para o controle de doenças, e relacionada ao desenvolvimento de programas sociais que reduzam diversas desigualdades enfrentadas nas populações (CUETO, 2015) contudo, todas as ações em saúde, na perspectiva global, devem ser problematizadas em relação a inserção nas nossas realidades, afinal de contas, nunca existiu uma assimetria nas construções das sociedades e isso reflete em caráter micro e macroespacial. 

Visualizar essas questões nos faz compreender que as melhorias dos sistemas de saúde mental possuem influência direta na construção de cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis (SILVEIRA e SOUSA, 2020, no prelo). Com isso, podemos visualizar, também, a dinâmica dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável de número 03 (saúde e bem-estar), 10 (redução das desigualdades) e 11 (cidades e comunidades sustentáveis) na construção de um desenvolvimento que é interdependente e indissociável às questões humanas. 

Trazendo essa discussão ao contexto que estamos vivendo, voltamo-nos ao ambiente privado, ao distanciamento ou isolamento social, que impacta diretamente na nossa compreensão do Bem Viver e na manutenção constante do indivíduo que é social e cultural. A princípio, o isolamento em nossas casas não acarretou em um completo desligamento com o mundo exterior, afinal de contas, a era da informação propicia o contato ininterrupto com tudo aquilo que é global, esboçando um paradoxo que fala muito acerca da saúde das nossas relações. Conectados, mesmo que distantes, isolados, todavia, sempre acompanhados. E é essa película fina entre o mundo de dentro e o de fora que, por vezes, configura mal-estar quando pensamos na grande comunidade global que estamos inseridos e a saturação da era da informação.

Considerando para além da crise de saúde que o mundo enfrenta, entendemos que a manutenção da mesma depende de um olhar dinâmico entre o eu e os espaços que habitamos, a cultura que nos constitui e a sociedade que nos abraça. Por fim, o que podemos afirmar é que, o “pequeno grande mundo daqui de dentro” é imenso, visceral, revolucionário e preciso. Na verdade, ouso afirmar que: a ressignificação do pequeno mundo “daqui de dentro” seja a que mais traduz as necessidades das transformações do mundo de fora. 

Indivíduos que enxergam sua humanidade, suas fragilidades e, até, suas vulnerabilidades compreendem que, o desenvolvimento que necessitamos não é um processo de ascensão no qual não enxergamos a caminhada até aqui, mas um processo de imersão em nós mesmos e no espaço em que vivemos, para que, então, possamos realizar ações eficazes à nossa existência, sejam elas a níveis individuais ou coletivos. De todas as reflexões desse período de confinamento, a maior certeza que carrego é que só conseguiremos enxergar o mundo de fora olhando para dentro.  

Referências

CUETO, Marcos. Saúde Global: uma breve história. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2015, 120 p.

BORGES, Lô, BRANT, Fernando. Paisagem na Janela. Clube da Esquina: 1972.

COSTA, Ana Monteiro; KÜHN, Daniela Dias. Bien Vivir/Buen Viver/Bem Viver: uma proposta de pós-desenvolvimento nas Epistemologias do Sul. Revista IDeAS, v. 11, n. 1-2, p. 34-66, 2017.

MAX-NEEF, Manfred; ELIZALDE, Antonio; HOPENHAYN, Martín. Desarrollo a Escala Humana: Opciones para el Futuro. Madrid: Biblioteca CF+S, 2010.

SILVEIRA, Matheus, SOUSA, Natália. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e a Saúde Mental: Discussões à Luz do Conceito de Desenvolvimento Sustentável em Contextos Amazônicos. Revista Monções: Universidade Federal da Grande Dourados, 2020. No prelo.

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: https://nacoesunidas.org/pos2015/

ODS3: ODS3

ODS10: ODS10

ODS11: ODS11

Por Natália Carvalho Viana. Pesquisadora e empreendedora. Atua na clínica e com projetos voltados a empreendedorismo, inovação e desenvolvimento sustentável. Desenvolve pesquisas nas áreas de empoderamento feminino, violência de gênero e dependências; famílias, comportamento e desenvolvimento sustentável na Amazônia.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.